UMA VIDA DEDICADA AOS POBRES
ciganos_19.jpg

A Irmã Elvira Nadais (IE), salesiana, de 76 anos, encontrou no Bairro do Fim do Mundo, no Estoril, um cenário pobre que a cativou e onde trabalha até hoje ajudando os mais necessitados.

Em entrevista à Agência Ecclesia (Semanário nº 53 de 23/1/14), refere que foi o pedido de um sacerdote às irmãs para que alguém fosse dar catequese ao Bairro do Fim do Mundo, no Estoril, que mudou a sua vida.

E afirma que “ficou imediatamente encantada”. “Sentia a ternura de uma criança pobre, às vezes com os pés cheios de areia e feridos, com o cabelo todo desalinhado e cheio de piolhos, mal alimentados e mal vestidos, mas apesar de tudo para mim era uma compensação, uma alegria muito grande!” E acrescenta: “Tivesse mais tempo, mais horas ainda dava muito mais de mim a estas pessoas”.

“Quando ia para o bairro ficava toda feliz e depois quando estava a dar aulas no colégio salesiano contava às alunas a vida dos meninos do bairro a mostrar-lhes que mais tarde poderiam vir a estar ao serviço de pessoas pobres como estas. “Os meninos do passado são agora adultos que atualmente quando se encontram com a IE ‘sorriem e lembram-se dos tempos passados’, mostrando ter-me ‘muito respeito e carinho’”. A IE afirma que “o convívio, os valores e a educação que transmitiu às crianças quando chegou ao bairro do Fim do Mundo ajudou a torná-las em adultos ‘diferentes e com outras maneiras de agir, de compreender, de colaborar e de ter respeito pelas pessoas e a ter uma irmandade entre eles, a serem amigos’”,uma estabilidade que muitos dizem não existir noutros bairros da zona.

A IE tem no Bairro do Fim do Mundo, agora remodelado, uma Rua com o seu nome e acredita que fez “o que podia com o impulso de Deus”.

NR: o Bairro do Fim do Mundo tem uma considerável população cigana e a IE é justamente considerada a amiga dos ciganos, pela sua maneira de atuar, por tudo o que sempre fez pelas pessoas desta etnia.

Manuel Costa - Agência Ecclesia

Maio 2014