Um Centro para os jovens
photo-mati.jpg

Mati é uma ONG que trabalha a norte do Bangladesh desde 1997, com o objetivo de unir todas as forças, energias e amor humanos para o combate universal contra a pobreza e por uma vida na qual todas as pessoas sejam reconhecidas com a sua dignidade própria. Leiam abaixo como foi a abertura do seu Centro para os Jovens de Mimensingh.

O desenvolvimento começa diante da nossa porta. MATI sempre teve o cuidado de integrar no seu trabalho os moradores de Sankipara (cerca de 30 000 habitantes). Entre os edifícios dos ricos moram muitos pobres em cabanas de bambu e zinco que crescem como ervas daninhas.

Há poucas possibilidades de formação para os jovens pobres porque poucos terminaram os seus estudos. Os que pretendem fazer uma “aprendizagem” trabalham geralmente para o dono duma loja pequena onde não são pagos quando começam. Por causa da falta de instrução e dos obstáculos burocráticos associados a uma corrupção quase geral, é para os pobres muito difícil aceder aos serviços sociais e aos serviços do Estado. E assim não conseguem sair do seu estado de pobreza. Os rapazes só podem trabalhar no campo, conduzir um riquexó ou ser moço de fretes. As moças que não querem ir trabalhar nas grandes fábricas têxteis, só podem ser empregadas domésticas ou realizar pequenas tarefas em casa.

Em Sankipara há muitos jovens desempregados que andam pelas ruas sem o mínimo projeto. Desde 2008, MATI propõelhes diversas atividades e conseguiu obter a sua participação. Nos grupos de discussão eles exprimem o que desejam para o Centro : uma biblioteca, aprender a trabalhar com um computador, ler jornais, jogar a jogos de grupo, organizar eventos recreativos... Nunca ninguém lhes tinha proposto nada ! E as moças também se interessam por tudo isso pois sabem que poderão ir ao Centro sem os pais se preocuparem com a sua segurança.

Este projeto realizou-se em abril de 2014, com a ajuda de uma sociedade de Colónia, na Alemanha. Queremos que ele seja um lugar de encontros e aprendizagem para jovens de diversas religiões que anseiam por um futuro melhor.

A educação deve corresponder a necessidades específicas, dar “competências de vida”. Deve forjar ferramentas fundamentais para enfrentar a vida : ajudar à formação para um ofício e na procura de emprego. Deve abordar questões importantes tais como : “O que é que eu poderia fazer de modo diferente ? Onde e como posso melhorar a minha vida ? O que é isso de assumir responsabilidades ? Como gerir a decepção e a frustração ?”

E há ainda outros assuntos importantes como os direitos da mulher, as mudanças climáticas, a proteção do meio ambiente...

Andrea R., MATI, Bangladesh

Palavras-chave :