Se quiser ser-lhes útil, ajude-me a criar um instituto de pesquisa
Mme_de_Vos

Alwine de Vos van Steenwijk deixou-nos no dia 24 de Janeiro com 90 anos, tendo investido todas as suas forças na construção do Movimento ATD Quarto Mundo.
No fim da década de 50, sendo então diplomata em Paris, enviada pelo seu país, a Holanda, ela ouviu falar do Padre Joseph Wresinski e do combate que ele travava juntamente com as famílias do campo-favela de Noisy-le-Grand. Muito impressionada e interpelada pela originalidade dessa luta, resolveu um dia entrar pelo caminho de terra e poeira que levava ao campo. Como não lhe podia dar logo atenção, o Padre Joseph pediu-lhe para tratar dos sacos que tinham sido mandados para as famílias que lá moravam. Mas que podia ela fazer, tendo deparado com roupas rasgadas ou nem sequer lavadas? E foi uma Alwine lavada em lágrimas que o Padre Joseph descobriu à noite quando foi ter com ela. “Porque está a chorar?” “Porque descobri a que ponto o meu próprio meio pode humilhar os pobres. Acha que lhes pode ser útil mandando-lhes sapatos desirmanados…” “Se quiser ser-lhes útil, ajude-me a criar um instituto de pesquisa”.

Ela organizou então um “Departamento de Pesquisas Sociais” para fazer entrar a experiência e as ideias das famílias muito pobres no mundo intelectual, o que deu uma nova credibilidade ao combate do Movimento. O Centro Internacional Joseph Wresinski (www.joseph-wresinski.org) continua o trabalho então iniciado.
O Padre Joseph pediu-lhe para passar a ser uma embaixadora do povo do Quarto Mundo para que ele pudesse subir os degraus das Nações Unidas e assim ser introduzido como um novo parceiro na vida pública internacional. Ela estabeleceu contatos no mundo inteiro, participou na fundação do Fórum Permanente sobre a Extrema Pobreza no Mundo, hoje chamado Fórum por um Mundo sem Miséria, e redigiu os editoriais da Carta aos Amigos do Mundo durante 14 anos.
Depois do falecimento do Padre Joseph, ela usou toda a sua energia para que a ação e as ideias de Wresinski fossem reconhecidas e se tornassem uma fonte de inspiração, tanto nas esferas políticas, científicas e culturais, como na própria Igreja a que ele pertencia.

As peças de teatro que ela montou nestes últimos anos na Holanda com profissionais da arte cénica e com famílias confrontadas com a injusta exclusão da miséria, tocaram e mobilizaram o coração e a inteligência de milhares de espectadores de todos os horizontes.

A lembrança de Alwine continuará sempre a viver em todos nós.

A Fundação Betânia pretende "suscitar a procura de novos alicerces culturais e espirituais, que conduzam à realização harmoniosa do ser humano, na sua globalidade, e abram caminho a modos de vida e a relações sociais orientadas segundo o primado do amor". A fundação propõe vários espaços de encontro para as pessoas "que conhecem o cansaço e o desânimo".

http://www.fundacao-betania.org/profetas.htm

Caros amigos do ATD Quarto Mundo

Nunca é tarde demais para lembrar uma pessoa tão querida e tão próxima dos mais pobres do mundo inteiro. Quero falar de Alwine de Vos van Steenwijk. Não podemos deixar de pensar com carinho naquela que foi como uma mãe para nós e para a nossa associação “Companheiros de Ação para o Desenvolvimento Familiar” (CADF). Foi graças aos múltiplos encorajamentos e conselhos de Alwine, através da nossa correspondência desde 1994, que conseguimos integrar e aplicar as bases da luta contra a miséria no seio de nossa organização. Sempre nos sentiremos em dívida para com ela. O falecimento de Alwine é uma grande perda a nível mundial. Mas o seu exemplo, a importância que sempre deu aos valores humanos e o seu combate encarniçado em prol da dignidade de todos os esquecidos e desprezados deste mundo, permanecerão sempre como uma grande lição e um símbolo inesquecível.

Que a alma de Alwine de Vos van Steenwijk repouse em paz.

Dieudy M. K., RDC