Mensageiros da paz no mundo inteiro
ruwon_nepal
Carta aos Amigos do Mundo 77

Em todos os continentes há homens e mulheres que dizem não à violência da miséria e que se implicam a fundo para construírem lugares de encontro onde as pessoas se reconheçam umas às outras como pertencendo a uma mesma humanidade. Em todos os bairros há moradores que resistem à violência Não serão eles os melhores mensageiros da paz? E nós temos que ter a coragem de romper o silêncio para dar a conhecer os seus gestos de solidariedade. que as feridas cheias de pus não  tocassem no solo poluído. Também me lembro daquela mãe que mora num bairro que vai ser “saneado”. É ela que fala: “Vivemos com a angústia de sermos expulsos. E isso é horrível para o meu filho mais novo que diz: “Quando for grande, hei-de ter uma máquina para ir arrasar a casa do prefeito.” Mas eu não quero que o meu filho cresça com este ódio. Quero que ele e os amigos cresçam com outras coisas na cabeça e no coração, é por isso que estamos preocupados. Faço o que posso pela biblioteca de rua para que ela não vá embora daqui.”

Quando as crianças crescem no meio da extrema pobreza, nos lugares mais abandonados e mais esquecidos, tanto no Norte  como no Sul, elas estão mergulhadas num mundo cheio de “injustiças e de violência (em todos os sentidos da palavra)”, como dizem seus pais. Entre as formas de violência mais visíveis, há as que estão ligadas aos conflitos armados e à violência das gangs. Mas quando falamos com as crianças e suas famílias que vivem neste tipo de situação, elas começam por citar formas de violência bem mais insidiosas. Estou pensando no Arsène que vive no meio duma lixeira. Como ele anda descalço, cortou os pés e as feridas infetaram, de maneira que teve de aprender a andar apoiando-se nos lados exteriores das plantas dos pés para
Lá bem no fundo de si mesmos, os mais pobres trazem um sentimento de paz que o resto do mundo ainda ignora. Unamo-nos e façamos com que os mensageiros de paz do mundo inteiro não fiquem escondidos. Demo-nos sempre todos as mãos, e  especialmente no dia 17 de Outubro, Dia Mundial para a Erradicação da Miséria.

Eugen Brand
Delegado Geral do Movimento ATD Quarto Mundo