Lisboa inaugura primeiro frigorífico solidário do país
imagem_1.jpeg

A Fábrica Alcântara Mar, -- da qual poderão reler a apresentação neste mesmo "correio dos leitores" num artigo que nos foi enviado em fevereiro 2016 (e que aparece também na google, sendo o sétimo artigo quando se pedem informações sobre Fábrica Alcântara Mar, intitulado FÁBRICA ALCÂNTARA / Por um Mundo sem Miséria), -- continua lançando belas e solidárias iniciativas. Eis uma das últimas :

Quinta-feira, 12 de Maio de 2016

Inaugura já esta sexta-feira, pelas 15h, o primeiro frigorífico solidário do país, na zona do Alvito, em Lisboa. O objetivo é disponibilizar, à população mais carenciada do bairro, acesso direto a alimentos que são doados por empresas e particulares.
 
O movimento dos frigoríficos de rua solidários tem vindo a crescer um pouco por todo o mundo, mas este será o primeiro frigorífico comunitário de Portugal.

A iniciativa do projeto sócio-cultural Fábrica Alcântara Mar (FAM), financiado pelo programa BipZip, e pretende “contribuir para uma maior sustentabilidade e inclusão das pessoas com carências económicas e fragilidades sociais (…) fomentando ao mesmo tempo as relações sociais, o respeito pelo próximo, a interajuda e a envolvência comunitária”, explica a FAM numa nota divulgada esta semana.

A reposição do frigorífico será feita regularmente por um responsável da comunidade, a partir de doações de alimentos (frescos e congelados) e refeições entregues anonimamente pela população, empresas apoiantes e outras organizações.

Além da sua faceta solidária, o frigorífico da FAM é também uma peça de arte uma vez que foi personalizado pelo artista plástico Luís Levy Lima.

O frigorífico não estará na rua mas vai estar dentro da sede da FAM (Rua da Cascalheira n.º 9) e pode ser acedido por uma porta que estará sempre aberta para todas as pessoas do bairro, permitindo o acesso a comida e bens essenciais de uma forma anónima.

“Ninguém tem de pedir comida, nem dar a cara. Pode simplesmente entrar na associação, abrir o frigorífico e retirar o que precisa”, explica o artista Luís Levy numa declaração divulgada pela FAM.