Aprender com os pequeninos e também com os anciãos
mozambique.jpg

Elizabeth S. trabalha na Missão da Fonte-Boa, no centro de Moçambique, desde 2009, tendo já ali estado entre 1996 e 1999. É uma região fértil mas, devido à má preparação dos camponeses, é muito pobre.
 

Sentimos que está tudo por fazer. Saí daqui em 1999 e quando regressei 10 anos depois encontrei um retrocesso em vez de progresso, e isso dói muito. É um povo muito pobre, afável e hospitaleiro.
Na Missão há uma escola. As turmas têm cada uma cerca de 60 alunos, todos muito educados e disciplinados.

Temos também outras coisas:
- Temos a Sala de Estudo, para os alunos terem um espaço tranquilo para estudar, fazerem os trabalhos de casa, aprenderem computação, ver filmes...
Temos o Curso de Computação, utilizando os computadores oferecidos por amigos e benfeitores de Portugal.

Temos um Concurso de Desenho, muito participado e onde as crianças dão largas à sua imaginação e apresentam bonitos trabalhos. A entrega dos prémios é um belo momento de alegria e confraternização.

Temos as Aulas de Costura onde as meninas aprendem a fazer com tecido malas e sacos, casacos de malha e... um elefante. Aprendem com entusiasmo a fabricar as várias peças, e é com alegria que se orgulham do seu trabalho, o que as ajuda a enfrentar suas dificuldades a nível pessoal e emocional.

Temos uma Escolinha, com 20 crianças dos 3 aos 10 anos, filhas de trabalhadores pobres. Estas crianças merecem tudo, são educadas e atentas. Na Festa de Natal,  houve um presépio e uma Árvore feitos por todos nós.  Todos receberam presentes , tivemos lanche, filme e... 5 Pais Natal!

E temos as Bolsas de Estudo para Mulheres Jovens – Formação Académica Superior. Este ano estão a estudar treze bolseiras. Fazemos reuniões mensais e comunicamos através de emails. Tentamos estar sempre presentes nas suas dificuldades. No último ano, todas as bolseiras transitaram de ano escolar, o que é uma grande alegria, traduz o interesse e empenho em contribuírem para uma sociedade mais conhecedora, capaz e justa.

Que felicidade poder servir, e poder aprender com os mais pequeninos e também com o ancião ou anciã que encontro a caminhar ao longo destas intermináveis estradas...

Palavras-chave :