Apelo à União por um Mundo sem Miséria
Refuser la misère

Eu assino o Apelo à União por um Mundo sem Miséria

"LÁ ONDE OS HOMENS ESTÃO CONDENADOS  A VIVER NA MISÉRIA,  AÍ OS DIREITOS HUMANOS SÃO VIOLADOS. UNIR-SE PARA OS FAZER RESPEITAR É UM DEVER SAGRADO."

Padre Joseph Wresinski

Estou plenamente de acordo com este apelo que foi gravado na Praça das Liberdades e dos Direitos Humanos, no Trocadéro, em Paris (França), no dia 17 de Outubro de 1987, (no mesmo lugar onde fora assinada a Declaração Universal dos Direitos Humanos a 10 de Dezembro de 1948) , e associo-me à corrente da erradicação da miséria formada pelos defensores dos direitos humanos de todos os países.
 

185873 assinantes de 155 países
A União por um Mundo sem Miséria : Uma mobilização
permanente para defender os Direitos Humanos e a Paz

No dia 17 de Outubro de 1987, o Apelo que está gravado na Praça dos Direitos Humanos em Paris (França) inaugurou o primeiro Dia para a Erradicação da Miséria, que foi reconhecido em 1992 pelas Nações Unidas como o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza.

Desde então, já milhares de pessoas afirmaram o seu acordo com o texto da Laje do Trocadéro, o que revelou a existência de uma corrente de indivíduos e de grupos muito variados para quem a extrema pobreza representa uma violação dos direitos humanos e que querem unir-se para que eles sejam respeitados. Essa corrente leva naturalmente a uma mobilização permanente de pessoas que se unem para construir um mundo sem miséria.

Ano após ano, o dia 17 de Outubro passou a ser o momento de revelar publicamente, a nível local, nacional e internacional, o número crescente de pessoas que aderem a essa afirmação e trabalham, cada qual na medida das suas possibilidades, para a sua realização.

Se por acaso já assinou este apelo, não é preciso assiná-lo outra vez. Mas claro que pode difundi-lo junto de todos aqueles que conhece !

Todos os itens com um * são obrigatórios

Se desejar, explique-nos as razões que o/a levaram a assinar este apelo para encorajar todos os que combatem a miséria.

Nunca comunicamos, trocamos nem vendemos endereços.

Ler também